Da telona para o livro: conheça o novo vencedor do Prêmio Barco a Vapor

Estreante na literatura, paulista Alexandre Rathsam conquista jurados com obra sobre professor que sofre de síndrome da palavra solta


Créditos: Divulgação


De produtor de cinema a vencedor do Prêmio Barco a Vapor de Literatura Infantil e Juvenil, o mais importante concurso que revela talentos da literatura nacional infanto-juvenil. Assim podemos resumir a trajetória do paulista Alexandre Rathsam. Aos 49 anos, o ex-produtor e atual estudante de Filosofia da Universidade de São Paulo (USP) largou a antiga profissão para dedicar-se à literatura. O resultado foi ter sua primeira obra, “Dr. Fritz e a menina que falava errado na hora certa”, reconhecida pelo júri da 15ª edição do prêmio, uma iniciativa promovida pela Fundação SM em parceria com a SM Educação.

O livro conta a história de um professor maluco que sofre da síndrome da palavra solta, fato que o leva a proferir bobagens sempre que tenta se comunicar. Ele conhece, então, uma menina que também possui um problema de fala, e os dois se tornam amigos e acabam se ajudando.

Créditos: Divulgação

A conquista rendeu a Rathsam o prêmio de R$ 40 mil, além da publicação da obra pela SM Educação. O lançamento do livro acontecerá no dia 30 de outubro, no Centro Brasileiro Britânico, em São Paulo, local em que também será realizada a cerimônia de premiação.

Inspiração que vem desde a infância

A literatura sempre esteve presente na vida de Rathsam, mesmo quando ele ainda atuava produzindo obras para as telonas. A mudança para a área da escrita aconteceu, segundo ele, de maneira bem natural e divertida.

– Eu sempre gostei muito de ler e o universo infantil me cativava. Não por achar mais fácil. Pelo contrário, acredito que seja até mais difícil, e sentia dentro de mim que precisava concretizar algo nesse sentido. O processo de escrita foi extremamente divertido. As inspirações vieram das minhas experiências, pessoas que conheci, fatos que me marcaram e o menino que ainda habita em mim, apesar da idade. O trabalho maior foi ordenar, em uma estrutura narrativa, todas essas histórias que já estavam latentes dentro de mim -, lembra, com nostalgia, o promissor autor.

Para a obra sair do jeito que queria, Rathsam contou com uma ajuda especial no processo de confecção do livro, que durou, em média, dez dias. Suas filhas, hoje com 14 e 18 anos, foram um estímulo para ele. O autor ainda destaca que elas podem seguir o caminho da literatura:

– A cada página que eu escrevia, pedia a opinião delas. Contar com esse feedback foi um estímulo para seguir adiante. Hoje, as duas já pensam em escrever e, se depender de mim, iniciarão esse caminho mais cedo do que eu comecei.

Sem imaginar que pudesse ganhar o prêmio mais renomado da literatura infantojuvenil do país, o autor acreditava que chegar entre os finalistas já seria uma honra, já que esta era sua primeira experiência literária. O anúncio do vencedor, que aconteceu nesta terça-feira, 2, transformou o sonho em realidade.

– É uma alegria indescritível. Espero que os leitores sintam o mesmo prazer e diversão que eu senti enquanto escrevia a história. Isso é o que me motiva, já que o público terá a chance de ler e se divertir com as aventuras do Dr. Fritz – comemora Rathsam.

Com o prêmio, novos desafios

De acordo com o vencedor do concurso, o prêmio de R$ 40 mil já tem destino certo. Firme no propósito de continuar escrevendo, Rathsam revela que, com a quantia, pretende se dedicar ainda mais à literatura e com tranquilidade.

– Foi só o primeiro passo. Já estou escrevendo outro livro, também para o público infanto-juvenil e com uma dose de humor, mas a história ainda é segredo. Não tem nada nesse momento mais importante para mim do que seguir adiante, escrever e poder compartilhar a alegria de ver uma história acontecer. O prêmio está sendo decisivo para a minha motivação nesse sentido.

Andréia Bueno

Andréia Bueno

Apaixonada pelas artes em geral, ama registrar cada instante, seja no trabalho ou durante viagens. Já realizou entrevistas com artistas nacionais e internacionais para o Acesso Cultural. Adora conhecer novos lugares e culturas, tendo viajado por 14 países entre o continente europeu, africano e americano.

Facebook Instagram

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *