Novos livros de poemas da coleção Helena Kolody são bilhete de amor a Curitiba


Créditos: Divulgação


Os dois novos volumes da Coleção Helena Kolody, da Editora Bonijuris, são um bilhete de amor a Curitiba de todos os tempos. É natural, portanto, que esse bilhete, lírico e lúcido, nostálgico e sensível, seja entregue ao leitor na forma transmutada de poemas curtos.

O nome da coleção homenageia a poetisa falecida em 2004 e uma das figuras exponenciais da literatura paranaense. O projeto resultará em 20 livros, todos de escritores que, bem ao modo de Kolody, foram recepcionados pela Editora Bonijuris com o mesmo entusiasmo que caracterizou a autora ao longo de sua vida.

Quarto volume, “Ode para Curitiba”, escrito pelo desembargador Assad Amadeo Yassim (1935-1985) trata de uma Curitiba onírica em versos como “Navego por Curitiba / no seu mar sem mar, na sua praia, sem praia”. Yassim foi um apaixonado pela capital do Paraná e sua condição de devoto é indisfarçável. Mesmo à distância, mesmo quando a condição de juiz o levou a outras paragens, mesmo quando foi um forasteiro no interior do Paraná. Era bissexto sim, mas escrevia por urgência. Não nas horas vagas, mas nas sôfregas, provavelmente nas bordas dos processos, quando os deuses da inspiração lhe sopravam aos ouvidos.

“Ode para Curitiba” é poético até mesmo na escolha do título, da preposição, a impedir qualquer segundo olhar que não o da reverência e da paixão nutrida em lembranças e vivências. Se não bastasse o bilhete de amor a cada página escrita, e ele se basta, destaque-se também as maravilhosas colagens do ilustrador João Carlos Bonat, por si só um poema imagético da Curitiba que foi, que é e que será.

Aos que não creem na afirmação anterior, basta conferir o quinto volume da coleção. “Giz de Aprendiz”, de Alvaro Posselt, é a expressão concreta da Curitiba de Dalton Trevisan, Paulo Leminski, Marcos Prado e Batista de Pilar, entre outros. Posselt insere-se nessa galeria de notáveis com seus haicais que, ao longo dos anos, vem ganhando molduras nos muros da cidade: “Curitiba não nos poupa/ Ontem eu tomei sorvete / Hoje eu tomo sopa”. O volume “Giz de Aprendiz” traz mais uma coletânea de versos-síntese do poeta, às vezes bem-humorados, às vezes rasgados de emoção legítima.

Para ilustrá-lo, a Bonijuris encarregou Lennon Henrique Morelli, um grafiteiro da nova geração. Se fosse dado resumir as duas obras, a temática, o talento e o bilhete amoroso à cidade as uniria: são livros para ler e querer ler mais.

“Ode para Curitiba” de Assad Amadeo Yassim

“Giz de Aprendiz” de Alvaro Posselt

Editora Bonijuris

R$ 50,00 – Nas melhores livrarias

Andréia Bueno

Andréia Bueno

Apaixonada pelas artes em geral, ama registrar cada instante, seja no trabalho ou durante viagens. Já realizou entrevistas com artistas nacionais e internacionais para o Acesso Cultural. Adora conhecer novos lugares e culturas, tendo viajado por 14 países entre o continente europeu, africano e americano.

Facebook Instagram

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *