Com direção de Kiko Rieser, espetáculo Anjo de Cristal aborda as verdades e mentiras dentro de uma relação


Créditos: Amanda Moraes


Um drama realista, embalado pelo jazz e pela sensualidade com diálogos ácidos marcam O Anjo de Cristal, novo espetáculo com dramaturgia de Luccas Papp, que está em cena ao lado de Carolina Amaral, sob a direção de Kiko Rieser. A estreia é no dia 9 de junho, quinta-feira, às 20h, no Teatro União Cultural. A temporada é sempre quinta-feira, às 20h, até 28 de julho.

A trama se passa em uma noite que era para ser comum na vida de Isadora, uma jovem acompanhante de luxo que atende em um flat dos Jardins, bairro nobre da capital paulista. Essa normalidade é interrompida com a chegada do tímido e misterioso Marcos, que ao contrário de qualquer outro cliente, parece mais interessado em sua história de vida do que em qualquer contato físico.

As alianças, de compromisso na mão dela, e de noivado na dele, são o ponto de partida para uma conversa que não só muda a vida de ambos para sempre, como também resvala em temas como a ocultação da verdade, a noção de certo ou errado e acima de tudo: a cruel posição em que a mulher está inserida na sociedade brasileira. Sedução, traição e um punhado de fantasia conduzem esse retrato contemporâneo da profissão “mais antiga” do mundo e do que leva alguém a procurá-la, seja como trabalho, seja como cliente.

“O Anjo de Cristal vem da necessidade de esmiuçar assuntos que não são muito abordados em nossa sociedade. O foco é essa questão da vida dupla, sobre quando deixamos de contar detalhes devido a conveniência, como nos moldamos para caber em determinado lugar. No espaço que se desenrola a peça, os personagens acabam se enxergando como espelho um do outro. Rola uma identificação entre eles. Todas as certezas e as estruturas sociais de cada um caem por terra. A história é como se fosse uma lupa sobre uma fatia da sociedade para revelar o peso e a universalidade da mentira dentro das relações contemporâneas”, ressalta Papp.

Para a encenação, o foco é o trabalho dos atores e relação que se estabelece entre os personagens. É um jogo constante que coloca em disputa atração, poder e empatia, por vezes em consonância, por outras em dissonância. “Dissecamos os vetores que norteiam essas ações para trabalhá-los dentro das múltiplas camadas que cada personagem tem. Especialmente no caso da personagem feminina, existe uma dicotomia muito interessante, que busquei frisar no trabalho de composição da atriz Carolina Amaral, entre Beatriz, a garota que veio do interior para fazer faculdade e para isso se prostitui, e Isadora, a personagem que ela interpreta durante os programas, buscando manter uma clara linha divisória entre o trabalho e sua vida pessoal, linha que rui e se dissolve durante a ação da peça”, conta Rieser.

Créditos: Amanda Moraes

A trilha sonora é toda calcada em jazz, blues e soul, o que por um lado traduz o gosto musical de Marcos, como ele demonstra nas músicas que pede para Isadora colocar para tocar, e por outro leva a um clima quase noir, trazendo densidade a esse conflito. O cenário dá índices de um flat impessoal, usado apenas para atendimento, onde se instaura uma atmosfera moderna que emoldura a ação.

O diretor enfatizou as qualidades que mais chamaram a atenção na dramaturgia. “Existe uma profunda discussão sobre os tênues limites entre a verdade e a mentira, incluindo as conveniências de cada uma, que se faz muito relevante em tempos como estes, de transição, em que as redes sociais tensionaram seu alcance para além do desejável, trazendo possibilidades com as quais ainda não sabemos lidar e, com isso, dissolvendo por completo a necessária distinção entre público e privado, entre imagem e simulacro. Os dois personagens são colocados numa encruzilhada e obrigados a tomar cada um uma decisão. É um texto que se abre para a reflexão, sem encerrar a discussão que propõe”.

O autor vem de uma época bem frutífera em 2022 com a estreia de várias montagens. “Meus espetáculos estão conectados por uma tríplice principal onde os personagens têm que lidar com sua relação envolvendo família, sexualidade e Deus. Men.u lidava com a dificuldade no mercado de trabalho e quando renunciamos a nós mesmos para conquistar um lugar ao sol. Vou estrear Falcão Vingador, uma peça que retrata a projeção de sonhos de pais e filhos. O Anjo de Cristal foca mais nos relacionamentos. E todas, claro, tem um plot twist no final.”

SERVIÇO:

O ANJO DE CRISTAL
Temporada: De 9 de junho a 28 de julho. Sempre as quintas – 20h.

Teatro União Cultural – R. Mario Amaral, 209, Paraíso, São Paulo – SP, 04002-020 – Metrô Brigadeiro. Preço: R$ 60,00 (Inteira) e R$ 30 (Meia). Gênero: Drama. Duração: 70 minutos. Classificação indicativa: 16 anos. Vendas: sympla.com.br

Andréia Bueno

Andréia Bueno

Formada em Direito pela faculdade Rio Branco - SP, é apaixonada pelas artes em geral, ama registrar cada instante, seja no trabalho ou durante viagens. Já realizou entrevistas com artistas nacionais e internacionais para o Acesso Cultural. Adora conhecer novos lugares e culturas, tendo viajado por 14 países entre o continente europeu, africano e americano.

Facebook Instagram

Deixe uma resposta