Entrevista: Ivan Parente, o Pedro de Lara de “Silvio Santos Vem Aí”


Créditos: Osmar Lucas


Ivan Parente, muito conhecido e consagrado por trabalhos de sucesso no teatro, TV e música, entre os quais estão a novela “As Aventuras de Poliana”, onde o artista vive o divertido Lindomar, além de importantes espetáculos de teatro como “A Ópera do Malandro“, “Les Misérables“, “Godspell“, “Alô Dolly!“, “A Madrinha Embriagada“,”O Homem de La Mancha” e o mais recente, “Silvio Santos Vem Aí”, uma homenagem ao dono do SBT. Ivan também teve seu lado musical revelado em “O Teatro Mágico”, uma verdadeira fase de muito sucesso e reconhecimento. Conversamos um pouco com o artista sobre sua trajetória. Confira a seguir!

Acesso Cultural: Qual foi o principal divisor de águas para que você descobrisse sua vocação como artista?
Ivan Parente: Muitas vezes, esse ‘divisor de águas’, tentou chamar a minha atenção, mas devo admitir que o maior deles foi o meu encontro com o Fernando Anitelli, do grupo O Teatro Mágico, na faculdade de comunicação social (FIAM). Ele estava cantando “More than Words” numa rodinha da nossa classe e eu sem querer, ou intuitivamente, comecei a fazer a segunda voz, ele parou de cantar e quis saber quem estava fazendo aquela voz. Todos olharam pra mim e eu acabei dizendo que tinha sido eu. Ele me colocou sentado ao lado dele e cantamos a música toda. Fomos aplaudidos pela classe e outras classes começaram a entrar nos corredores, foi uma delícia. Tivemos que mostrar para todos os professores e assim nasceu o “Madalenna 19”, nossa primeira banda de sucesso da faculdade. Acho que alí eu entendi que não tinha mais escolha com relação à minha profissão. Tinha sido mordido pelos aplausos. Sigo cantando até hoje ao lado do Anitelli e o considero um irmão de profissão.

AC: Com tantos trabalhos de sucesso na bagagem, em sua carreira artística, existe algum especial que você tenha gostado mais de fazer? Conte um pouco.
IP: Bom, acho que não existiu espetáculo mais gostoso de fazer do que ‘A Madrinha Embriagada’ (The Drowsy Chaperone). Eu fazia um apaixonado por musicais, por discos de vinil, contava fofocas e desmistificava segredos dos artistas que faziam parte das histórias que eu contava. Comentava o espetáculo todo. Pela primeira vez me senti parte de uma obra inteira. Creio que minha personagem, ‘Homem da Poltrona’, foi a mais carismática e fofa que fiz em toda a minha carreira. Ele contava suas histórias com tanto entusiasmo que o público embarcava junto. Ele era um homem visivelmente solitário que preferia viver a vida dos musicais do que a sua própria vida. Era triste e ao mesmo tempo encantador. Miguel Falabella, com certeza, me deu um dos maiores personagens da minha carreira. Poder contar a história de um amante de musicais, sendo um profissional de musical, é um privilégio e eu vivi para viver isso.

Créditos: Caio Gallucci

AC: Sobre Lindomar, de “As Aventuras de Poliana”, qual característica da personalidade dele faz com que os telespectadores da novela se identifiquem tanto com ele?
IP: Acho que a simplicidade com que ele vê a vida. Ele é um cara honesto e inocente, ou seja, uma personagem difícil de se ver hoje em dia. Hoje todo mundo quer levar vantagem em tudo. Quer ‘fazer gato’ para ver a TV a cabo porque é caro demais, quer ganhar na loteria porque trabalhar é chato demais, quer ter um carro potente para apostar corrida nas ruas e por aí vai. Sinto que o ser humano se encontra numa competição diária e o Lindomar Gomes vai exatamente na contra mão. Ele vai encontrar o dono do dinheiro perdido. Ele vai morrer trabalhando. Essa personagem é o que todo mundo gostaria de ser, mas que não cabe muito na sociedade capitalista e consumista de hoje. Uma sociedade que sofre de ansiedade porque fica o dia inteiro nas redes sociais olhando pra cor mais verde do quintal do vizinho. Lindomar vê as cores das suas grandes conquistas e dá valor à elas. Morre de amor pela sua rainha Arlete (Letícia Tomazella) e amaria ter tido mais estudo e condições para dar uma vida melhor para seu filho Vinicius (Vincenzo Richy). Às vezes chamam ele de covarde, mas tudo depende do ponto de vista e eu creio que do ponto de vista da personagem, o Lindomar é um cara íntegro. Acho que a característica que chama mais a atenção dos telespectadores é o caráter incrível que ele tem e que tem faltado tanto em nossa sociedade.

Créditos: Lourival Ribeiro / SBT

AC: Após muitas personagens no teatro, quais características delas você considera que trouxe para a sua própria personalidade?
IP: Todas (risos). A cada ano eu faço uma personagem mais diferente do que a outra. Fiquei impressionado quando fiz o balanço um tempo atrás e percebi que fui do luxo ao lixo várias vezes. Encarnar personagens como o ‘Thenardier’, de Les Misérables, me fez entender melhor a condição humana, a respeitar os limites de uma sociedade criada a partir de quem tem mais e de quem tem menos. Eu tento não trazer nada da personagem para a minha personalidade porque isso pode gerar um efeito dominó no meu dia a dia. Tento deixar a personagem somente lá no palco. Mas confesso que um certo sarcasmo e um mau humor eu herdei do Thenardier kkkkkkkkk. Acho que como as minhas personagens são, na sua maioria, comediantes, isso trouxe um pouco mais de leveza e bom humor também para os ambientes em que eu transito. Prefiro as vezes perder o amigo e não perder a piada. Com amor, mas sempre com bom humor.

AC: Você viverá, muito em breve, o icônico jurado Pedro de Lara no musical “Silvio Santos Vem Aí”. O que podemos esperar da personagem? Veremos “um pouco do Ivan” na figura icônica de Pedro de Lara? Conte um pouco sobre o que vem por aí.
IP: Pedro de Lara era chamado de ‘jurado carrasco’, ou seja, pela apresentação você já sabe o que pode esperar dessa personagem, não é mesmo? Eu investi mais nos gestos e nas características explosivas do que em imitar todos os detalhes. Eu escolhi o riso e as rixas com a platéia – e ele amava irritar a platéia. Eu escolhi o homem que começa falando manso e se descontrola ao ouvir a primeira vaia. A direção gostou tanto que me colocou no espetáculo todo (risos). Tem um pouco do Ivan sim, porque eu também sou um pouco explosivo, mas mais controlado do que o Pedro de Lara, e é claro que você vai poder ver o Ivan humorista que os espectadores estão acostumados e gostam. Acho que o público vai se encantar com o que vai ver no musical ‘Silvio Santos Vem Aí’. Está hilário. Um elenco de primeira e uma equipe incrível da primeira produção da Paris Cultural. Tá muito bem dirigido pela Marília Toledo e pela Fernanda Chamma. Elas pegaram o clima daquela época e retrataram um pouco da experiência de um dia num programa de auditório, ou seja, é diversão garantida para quem entra no clima!

Créditos: Kassius Trindade

O musical “Silvio Santos Vem Aí” estreia hoje e traz Ivan como o icônico Pedro de Lara. Para saber mais sobre esse e outros musicais, além das novidades sobre Ivan Parente, acesse o nosso site!

Nicole Gomez

Nicole Gomez

Formada em Comunicação Social pela FMU, uma eterna sonhadora em busca dos meus objetivos. Amo Teatro musical e tenho a música como meu combustível. Determinação e foco são as palavras que me guiam.

Facebook Instagram

Uma resposta para “Entrevista: Ivan Parente, o Pedro de Lara de “Silvio Santos Vem Aí””

  1. Pues nada, ya podemos hacer el cableado eléctrico y colocar nuestros tubos para interconectar todo, yo para esto ultimo utilice un tubo de goma de 8x5mm de diámetro, comprado en una tienda de repuestos de electrodomésticos, creo que lo venden para lavadoras, lo coloqué con un par de bridas en cada extremo a fijar, para una presión de 4 bar es mas que suficiente, eso si, procurar que no estén las uniones engrasadas, pues si no se nos soltaría al primer intento.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *