MARCOS MION SURPREENDE AO MUDAR DE VISUAL PARA NOVO FILME


Créditos: Divulgação/Gabriel Borges – @gbfoto.cine


Ano novo, vida nova, look novo! Marcos Mion aparece com novo visual nos primeiros dias de 2024 e a mudança vem por um bom motivo: protagonizar um novo longa-metragem nacional.

Produzido pela Formata Produções e Conteúdo com coprodução da Star Original Productions, o filme “MMA – Meu Melhor Amigo” começou a ser rodado em São Paulo (SP) e apresenta uma história de amor e superação. Na trama, Marcos Mion interpreta Max, um grande campeão de MMA que está enfrentando o fim de sua carreira, afastado do ringue enquanto se recupera de uma lesão séria no ombro. Quando descobre ser pai de um menino autista de 8 anos, ele precisa enfrentar dois desafios: compreender seu filho, conquistar seu carinho e ressignificar seus valores e se preparar para a maior luta da carreira, a sua última chance de uma grande volta.

“MMA – Meu Melhor Amigo” é uma ideia original de Marcos Mion, dirigido por José Alvarenga Jr, produzido por Daniela Busoli e Leonardo Lessa Lopes, com roteiro de Paulo Cursino e Marcos Mion. Além do apresentador e ator como protagonista, o elenco da nova produção ainda conta com Andreia Horta como Lais, Hoji Fortuna, Guilherme Tavares, Vanessa Giacomo, Laura Luz, Augusto Madeira, entre outros nomes. O filme está previsto para estrear exclusivamente nos cinemas em 2025.

Doc inédito sobre Lenita Perroy estreia na 47ª Mostra SP


Crédito: Divulgação


O documentário “Lenita” sobre Lenita Perroy, pioneira fotógrafa de moda, cineasta brasileira e respeitada criadora de cavalos árabes, faz sua estreia mundial na 47ª Mostra Internacional de Cinema de São Paulo, no dia 27 de outubro, às 21h55, no Espaço Itaú de Cinema – Frei Caneca 2.

Do premiado diretor Dácio Pinheiro (Meu Amigo Claudia), e produzido pela Gore Produtora Cinematográfica, o filme revela a história de Lenita Perroy, uma mulher que viveu à frente do seu tempo, onde dedicou parte de sua história dedicada à busca pela beleza, através de sua esquecida coleção de fotografias de moda e seus filmes, entre eles, o raro “Mestiça, a Escrava Indomável”(1973), com Sônia Braga (que estava quase perdido e foi recuperado recentemente pela Cinemateca Brasileira) e “Noiva da Noite”, com Rossana Ghessa. Assinou também a direção de arte de clássicos nacionais como “A Super Fêmea”, estrelado por Vera Fischer, e a versão para o cinema de “Beto Rockfeller”, com o ator Luis Gustavo.

Lenita aprendeu as técnicas de fotojornalismo com Jun Miki, pioneiro e mestre do fotojornalismo, e foi a primeira fotógrafa brasileira a expor no Museu de Arte Contemporânea de São Paulo. Ela e o ex-marido, Olivier Perroy, passaram dois anos no Japão, trabalhando como correspondentes de revistas como Manchete e Realidade, como fotógrafos profissionais. Em São Paulo, o poderoso e respeitado casal produziu, em meio a grandiosas festas, ensaios de moda, publicidades e capas de discos famosos, como o lendário álbum “Tropicália”, realizado na sala da casa do casal e fotografada por Olivier. Lenita fotografou a capa do famoso disco psicodélico do cantor Ronnie Von (1968), do Zimbo Trio, Célia e Eduardo Araújo.

Após a separação, Lenita abandonou a carreira artística e se dedicou exclusivamente a uma grande paixão: a criação de cavalos árabes, sendo uma das precursoras no Brasil, responsável pela importação de um dos mais importantes reprodutores da raça, Ali Jamaal. Lenita foi a mais reconhecida criadora de cavalos árabes do Brasil e uma das mais reconhecidas criadoras de cavalos árabes de todo o mundo, e recebeu visitas de importantes nomes em seu Haras em Sorocaba como Charlie Watts, baterista do Rolling Stones, o ator Patrick Swayze, entre outros criadores de cavalo.

O documentário conta com depoimentos de Lenita Perroy, Olivier Perroy, Ronnie Von, Luisa Strina, Vera Fischer, Mila Moreira, Luis Gustavo, Antonio Pitanga, Miriam Mehler, Ralph Camargo, Daniela Gavaldão, Liège Monteiro, Vera Duvivier, Marilda Pedroso, Malu Fernandes, Ferdinand Huemer, Doug Dahmen, João Acácio Franco, entre outros.

Serviço

LENITA, de Dácio Pinheiro (82′)_ Première Mundial na 47ª Mostra Internacional de São Paulo

27/10 – sexta, às 21h55 (Première) – ESPAÇO ITAÚ DE CINEMA – FREI CANECA 2

**Sessão com a presença do diretor Dácio Pinheiro. Apresentação no início do filme e bate papo com a platéia após a exibição.

30/10 – segunda, às 16h – RESERVA CULTURAL – SALA 1

34º CURTA KINOFORUM DESTACA CINEMAS INDÍGENAS BRASILEIROS


Créditos: Divulgação


Com a mais robusta programação dos últimos anos, o 34º Curta Kinoforum – Festival Internacional de Curtas de São Paulo – apresenta 301 filmes, representando 53 países. Com todas as atividades gratuitas, o evento acontece de 24/08 a 3/09, ocupando 44 salas de cinema e pontos de exibição na Região Metropolitana de São Paulo.

Entre suas principais atrações, o evento traz o último filme do cineasta francês Jean-Luc Godard (1930-2022), “Trailer do Filme Que Nunca Existirá: ‘Guerras de Mentira'”. O curta ganha projeção especial ao ar livre acompanhado de “O Parto”, obra realizada por José Celso Martinez Corrêa (1937-2023) e Celso Luccas em Portugal em 1975.

Uma ampla programação apresenta e discute a recente cinematografia indígena brasileira, com retrospectivas dedicadas a três autores de destaque dessa cena: Olinda Tupinambá, Priscila Tapajowara e Takumã Kuikuro. O festival programou também obras de outros cineastas indígenas. Há espaço para uma trilogia realizada por cineastas Yanomami que vai estar no próximo Festival de Veneza e para filmes sobre questões ligadas aos povos originários dirigidos por cineastas não indígenas. É o caso do inédito “Onde a Floresta Acaba”, que recupera as viagens com o jornalista britânico Dom Phillips, assassinado na Amazônia, em sessão que será acompanhada pela viúva de Philipps, Alessandra Sampaio.

É farta a presença de atrizes e atores consagradas entre os curtas exibidos no festival. Entre os nomes mais conhecidos presentes em títulos recentes e em retrospectivas da programação estão Zezé Motta, Elias Andreato, Edson Celulari, Carla Camuratti, Ney Latorraca, Rosi Campos, José Rubens Chachá, Sandra Annenberg, Jonas Bloch e Marco Ricca e Grace Passô.

Diretores com carreira reconhecida assinam trabalhos em pré-estreia mundial, como “Gado Novo”, de Beto Brant, e “Quinze Quase Dezesseis”, de Thais Fujinaga, ao lado de obras recentes de Anna Muylaert (“O Nosso Pai”) e Cristiano Burlan (“O Condutor da Cabine”).

Há filmes premiados e elogiados nos principais eventos cinematográficos planetários, como os festivais de Cannes, Berlim, Veneza, Locarno e Roterdã. Ao mesmo tempo, a programação reúne diversos curtas-metragens que abordam questões LGBTQIA+, meio ambiente, negritude, pessoas com deficiência e ativismo político e social.

Responsável por “Luminaris”, o curta mais premiado de toda a história do cinema, o animador argentino Juan Pablo Zaramella ganha retrospectiva e conversa com o público. A atriz brasileira Gilda Nomacce, cuja carreira acumula participação em 47 obras, é homenageada. Já o diretor Djalma Limongi Batista (1947-2023) tem sua inovadora produção de filmes curtos revisitada e discutida em um debate.

A emergente cena audiovisual do interior do estado de São Paulo volta a ser atração no Curta Kinoforum, com obras realizadas na região do Vale do Paranapanema (o inédito “Despovoado, Ou Tudo Que a Gente Podia Ser”, de Guilherme Xavier Ribeiro), nas cidades de Marília e Vera Cruz (“Habitar”, de Antonio Fargoni) e Rio Claro (“Arrimo”, de Rogério Borges).

Uma nova seção permanente é inaugurada este ano, a Mostra Horizontes, com obras recentes, brasileiras e estrangeiras, protagonizadas por personagens e temáticas jovens. Também com curtas da mais recente safra produzidos em diferentes países, continuam na programação as tradicionais Mostra Limite, com títulos caracterizados pela experimentação e ousadia de linguagem, e Nocturnu – Cine Fantástico e de Horror, uma das prediletas dos jovens cinéfilos que frequentam o festival.

Também tem nova edição a Mostra Infantojuvenil, com programas voltados a crianças e adolescentes, além de atividades presenciais.

Três retrospectivas reúnem destaques de diferentes momentos da produção brasileira de filmes de curta duração. Obras clássicas, assinadas por Glauber Rocha e Joaquim Pedro de Andrade, entre outros, estão no programa Curta Cinemateca, que merece projeção ao ar livre na Cinemateca Brasileira. A Retrospectiva Prêmio Estímulo exibe cópias em película 35mm de obras paulistas dos anos 1980 e 1990 de cineastas como Tata Amaral, Cao Hamburger, Toni Venturi e Alain Fresnot. E o programa Favoritos da Crítica (Abraccine) apresenta os dez curtas-metragens brasileiros vencedores da última eleição promovida pela Associação Brasileira de Críticos de Cinema, a Abraccine.

Encontros e projeções com temas ligados à tecnologia estão na grade de programação, envolvendo os desafios da Inteligência Artificial e a produção para o TikTok e Reels. A produção realizada em cursos audiovisuais e oficinas audiovisuais estão nos programas Cinema em Curso, CIBA/CILECT – O Cinema das Escolas Latino-Americanas e Oficinas de Realização Audiovisual: Narrativas em Movimento, além do debate “A Produção das Escolas de Audiovisual da América Latina”, parte do seminário Conexão USP-Kinoforum.

Novos curtas franceses podem ser conhecidos no programa Carta Branca à Unifrance e obras de André Novais Oliveira e Carlos Adriano com duração maior que o padrão do festival, de 25 minutos, estão em Por Uns Minutos a Mais.

O 34º Curta Kinoforum – Festival Internacional de Curtas de São Paulo promove ainda uma série de atividades paralelas, como encontros, debates e oficinas, a serem anunciadas.

Créditos: Divulgação

As exibições e atividades paralelas acontecem no Centro Cultural São Paulo, Cinemateca Brasileira, CineSesc, Espaço Itaú de Cinema – Augusta e Museu da Imagem e do Som. O circuito Cinema na Comunidade leva títulos do evento a 40 locais da Região Metropolitana de São Paulo, como centros culturais, casas de cultura, ocupações e a Terra Indígena Jaraguá. Recortes da programação podem ser acessadas em todo o país através das plataformas parceiras Itaú Cultural Play, Porta Curtas, Sesc Digital e Spcine Play.

Para a diretora do evento, a produtora Zita Carvalhosa, na atualidade, convivemos com “várias visões de mundo, nem sempre em harmonia. E tantas vozes ainda precisam se fazer ouvidas, o que nos exige disposição para a troca e abertura para o novo. Esse é o território em que vivemos no Curta Kinoforum.”

O 34° Festival Internacional de Curtas de São Paulo – Curta Kinoforum é uma iniciativa da Associação Cultural Kinoforum e tem direção da produtora Zita Carvalhosa. O patrocínio é do Itaú Unibanco, ProAC Editais, Spcine e Casa di Conti. A realização é da Associação Cultural Kinoforum, Sesc São Paulo, Museu da Imagem e do Som, Cinemateca Brasileira, Prefeitura Municipal de São Paulo, Secretaria da Cultura, Economia e Indústria Criativas do Estado de São Paulo e Ministério da Cultura.

Serviço

34º Curta Kinoforum – Festival Internacional de Curtas de São Paulo

https://kinoforum.org/

de 24 de agosto a 3 de setembro de 2023

entrada franca

patrocínio

Itaú Unibanco

ProAC Editais

Prefeitura Municipal de São Paulo / Spcine

Casa di Conti

realização

Associação Cultural Kinoforum

Sesc São Paulo

Museu da Imagem e do Som

Cinemateca Brasileira

Secretaria da Cultura, Economia e Indústria Criativas de São Paulo

Ministério da Cultura

locais

Cinemateca Brasileira – Largo Sen. Raul Cardoso 207, Vila Clementino – São Paulo

CineSesc – Rua Augusta 2075, Cerqueira César – São Paulo

Circuito Spcine Lima Barreto / Centro Cultural São Paulo – Rua Vergueiro 1000, Paraíso – São Paulo

Espaço Itaú de Cinema – Augusta (Anexo, Sala 4) – Rua Augusta 1470, Consolação – São Paulo

Museu da Imagem e do Som – Av. Europa 158, Jardim Europa – São Paulo

plataformas

Itaú Cultural Play – https://www.itauculturalplay.com.br/

Porta Curtas – https://www.portacurtas.com.br/

Sesc Digital – https://www.spcineplay.com.br/

Spcine Play – https://sesc.digital/

Circuito Cinema na Comunidade

Aldeia Tekoa Itakupe – Av. Chica Luiza s/n°, Terra Indígena Jaraguá – São Paulo

Casa de Cultura Chico Science – Av. Presidente Tancredo Neves 1265, Vila Moinho Velho – São Paulo

Casa de Cultura da Brasilândia – Praça Benedita Cavalheiro s/nº, Brasilândia – São Paulo

Casa de Cultura da Freguesia do Ó – Largo da Matriz 215, Freguesia do Ó – São Paulo

Casa de Cultura de Santo Amaro – Praça Floriano Peixoto 131, Santo Amaro – São Paulo

Casa de Cultura do Campo Limpo – Rua Aroldo de Azevedo 100, Jardim Bom Refugio – São Paulo

Casa de Cultura do Itaim – Rua Monte Camberela 490, Vila Silva Teles – São Paulo

Casa de Cultura do Tremembé – Rua Maria Amália Lopes de Azevedo 190, Tremembé – São Paulo

Casa de Cultura Hip Hop Leste – Rua Sara Kubitscheck 165-A, Cidade Tiradentes – São Paulo

Casa de Cultura M’Boi Mirim – Av. Inácio Dias da Silva s/nº, Piraporinha – São Paulo

Casarão da Vila Guilherme – Praça Oscar da Silva 110, Vila Guilherme – São Paulo 24/ago 19h

Centro Cultural da Juventude – Av. Deputado Emílio Carlos 3641, Vila Nova Cahoeirinha – São Paulo

Centro Cultural de Guaianazes – Rua Castelo de Leça s/nº, Jardim Soares – São Paulo

Centro Cultural do Grajaú – Rua Prof. Oscar Barreto Filho 252, Parque America – São Paulo

Centro Cultural Santo Amaro – Av. João Dias 822, Santo Amaro – São Paulo

Centro Cultural Vila Itororó – Rua Maestro Cardim 60, Bela Vista – São Paulo

Centro de Culturas Negras – Rua Arsênio Tavolieri 45, Vila Parque Jabaquara – São Paulo

Centro de Formação Cultural Cidade Tiradentes – Rua Inácio Monteiro, 6900, Cidade Tiradentes – São Paulo

Centro de Memória do Circo – Av. São João 473, Centro – São Paulo

Cine Câmera Quebrada – Rua Prof. Oscar Barreto Filho 252, Parque América – São Paulo

Cine Campinho – Rua Alécio Prates s/n°, Guaianazes – São Paulo

Cine IbiraLab – Rua Salgueiro do Campo 504 / 1, Jardim Ibirapuera – São Paulo

Cine Minhocão – Elevado Presidente João Goulart altura do Largo do Arouche, Centro – São Paulo

Cine Ocupa – Rua Álvaro de Carvalho 427, Bela Vista – São Paulo

Cine Roça / Ocupação dos Queixadas – Rua Borá, s/n°, Jardim Panorama – Cajamar

Cine Sol y Sombra – Rua Conselheiro Ramalho 945, Bela Vista – São Paulo

Cine Taipas – Estrada das Taipas 3827, Taipas – São Paulo

Cineclube Incinerante – Rua Suíça 302, Jardim São Francisco – Guarulhos

Cineclube Mascate/ Casa Delas – Rua José Eid Maluf 20, Americanópolis – São Paulo

CineSamba / Bar do Mutcho – Rua Bernardo Nunes 93, Jardim Helga – São Paulo

Cineteatro Wilma Bentivegna – Rua Paraná 70, Jardim Paulista – Suzano

Fabicine Móvel Itinerante – local a definir – São Paulo

Okupação Coragem – Rua Vicente Avelar 53, Conjunto Residencial José Bonifácio – São Paulo

Pombas Urbanas – Av. dos Metalúrgicos, 2100, Cidade Tiradentes – São Paulo

Teatro Arthur Azevedo – Av. Paes de Barros 955, Alto da Mooca – São Paulo

Teatro Cacilda Becker – Rua Tito 295, Lapa – São Paulo

Teatro Décio de Almeida – Rua Lopes Neto 206, Itaim Bibi – São Paulo

Teatro Flávio Império – Rua Prof. Alves Pedroso 600, Cangaiba – São Paulo

Teatro Paulo Eiró – Av. Adolfo Pinheiro 765, Santo Amaro – São Paulo

“Uma Fada Veio Me Visitar”, comédia estrelada por Xuxa, ganha trailer


Créditos:: Blad Meneghel


Estrelado por Xuxa Meneghel, “Uma Fada Veio Me Visitar” é uma nova adaptação do livro homônimo de Thalita Rebouças para os cinemas. Com roteiro assinado pela própria autora, em parceria com Patrícia Andrade (“Entre Irmãs”), e direção de Vivianne Jundi (“Detetives do Prédio Azul 2: O Mistério Italiano”), o filme chega ao circuito nacional no feriado de 12 de outubro. A comédia apresenta Tontom Périssé, que faz sua estreia nas telonas como a coprotagonista Luna. Dani Calabresa, Lívia Inhudes, Manuela Kfuri, Vitória Valentim, Henrique Camargo e Lucas Burgatti também integram o elenco, que conta ainda com a participação especial da influenciadora Camila Loures. O longa é produzido pela Bronze Filmes, em coprodução com a Paramount Pictures e a Rubi Produtora, e tem distribuição da Imagem Filmes.

Na trama, a Fada Tatu, interpretada por Xuxa, é escolhida para transformar as adolescentes Luna (Tontom Périssé) e Lara (Vitória Valentim), que se odeiam, em melhores amigas. Depois de passar quatro décadas congelada, Tatu tenta realizar a missão ao mesmo tempo em que se adapta às mudanças dos tempos atuais, como as roupas e o celular.

Baseado no best-seller de Thalita Rebouças, “Uma Fada Veio Me Visitar” chega aos cinemas com muita magia, nostalgia e diversão para toda a família. O filme marca a volta de Xuxa aos cinemas, após um intervalo de 14 anos, quando coestrelou “Xuxa em O Mistério de Feiurinha”, ao lado da filha, Sasha, em 2009.

Considerada a Rainha dos Baixinhos pelos seus programas infantis na TV, Xuxa alcançou sucesso de bilheteria nos anos 1980, 90 e 2000, sendo protagonista de produções cinematográficas como “Xuxa Abracadabra”, “Xuxa e os Duendes”, “Xuxa e o Tesouro da Arca Perdida”, “Xuxa Gêmeas”, além do clássico “Lua de Cristal”, lançado em 1990.

SINOPSE

Depois de quatro décadas congelada, a Fada Tatu (Xuxa Meneghel) é escolhida para uma missão: fazer Luna (Tontom Périssé) e Lara (Vitória Valentin), duas adolescentes que se odeiam, virarem melhores amigas. Enquanto Tatu tenta se adaptar aos tempos atuais, percebe que os problemas da adolescência continuam os piores do mundo.

Confira os destaques de 23 a 29 de julho no AMC


Créditos: divulgação


Confira no próximo domingo, 23/07, às 18h, no AMC, o longa “Minha Mãe e Eu”. O filme que rendeu a Mira Sorvino o prêmio de Melhor Atriz Coadjuvante, conta a história de uma fotógrafa de concertos de rock que descobre estar grávida inesperadamente em um momento bom de sua carreira. E agora, passa a refletir sobre a relação com sua própria mãe.

24 de julho, às 22h, no AMC “Aline, a Voz do Coração 

Na segunda-feira, 24, às 22h, o AMC exibe o filme “Aline, a Voz do Coração”. Produção deu a Valérie Lemercier o prêmio César de Melhor Atriz, e acompanha a família Dieu, onde a música reina. Enquanto Aline cresce com uma voz de ouro, o produtor musical Guy-Claude se dedica a torná-la na maior cantora do mundo.

25 de julho, às 19h15, no AMC “O Legado de Osiris 

Já na terça-feira, dia 25, o AMC apresenta às 19h15, a aventura “O Legado de Osiris”. Estrelada por Kellan Lutz, a trama situada no futuro, em uma época de colonização interplanetária, acompanha um casal improvável que enfrenta uma crise global iminente.

26 de julho, às 22h, no AMC “Matilda” 

Na quarta-feira, o AMC apresenta “Matilda”, clássico baseado nos livros infantis de Roald Dahl, sobre uma garotinha com poderes mágicos. Com direção de Danny DeVitto, a comédia para toda a família acompanha uma garotinha maravilhosa, que tem uma maravilhosa professora, os piores pais de todos os tempos e a pior diretora de escola que se possa imaginar.

27 de julho, às 22h, no AMC “A Possessão de Mary” 

O AMC também traz o terror “A Possessão de Mary”, na quinta-feira, 27, às 22h. No filme, com direção de Michael Goi, uma família que deseja iniciar um negócio de aluguel de barcos compra um que guarda segredos aterrorizantes.

28 de julho, às 22h, no AMC “As Trapaceiras” 

Já na sexta-feira, a programação promete entreter o público com a exibição de “As Trapaceiras”. Confira às 22h, a comédia estrelada por Anne Hathaway e Rebel Wilson sobre duas vigaristas que cometem fraudes e se unem para derrubar os homens que as prejudicaram.

29 de julho, às 20h25, no AMC “A Verdade Nua e Crua” 

Fechando a semana, o AMC exibe “A Verdade Nua e Crua”, no sábado, 29, às 20h25. Na comédia romântica, uma rígida produtora de televisão assume o controle de um segmento de programa matinal sobre relacionamentos modernos apresentado por um homem misógino.

Fique por dentro de tudo que rola no AMC

Site: amctv.com.br

Twitter: @amctv_br   

Facebook: @AMCTVBr 

Instagram: @amctvbrasil 

YouTube: AMCTVBrasil 

Cinema: Raphael Rossatto a voz do Mário no Brasil


Créditos: Oseias Barbosa


Quando “Super Mario Bros – o filme” estreou nos cinemas, muita gente adorou ver a familiaridade da voz de um dos personagens mais famosos do mundo com o que se via nos jogos. O sotaque caricato com um italiano carregado bem característico dele estava lá. Todo o sucesso do filme, que superou a marca de 1 bilhão de dólares de bilheteria no mundo, fez com Raphael Rossatto, a voz brasileira do Mário, ficasse muito agradecido as várias mensagens de carinho que tem recebido dos fãs do encanador mais famoso dos games.

O convite para dublar o Mário surgiu primeiramente porque o ator que faz a voz original dele no filme é o Chris Pratt que eu dublo no Brasil desde “Guardiões da Galáxia”. Porém tiveram testes com outros dubladores e não foi só porque eu o dublo que eu consegui, a Nintendo junto a Universal e a Illumination acabaram escolhendo a minha voz dentre as outras que foram testadas, fiquei muito feliz por isso – diz.

Raphael fala sobre como foi o processo para a criação da voz do encanador e como fez para achar o tom certo.

O processo da dublagem foi normal, tirando o fator do sotaque e a voz do Mário que é mais caricata. Eu e o Manolo Rey, que dubla o Luigi, conversamos, antes do teste, sobre a voz que eu faria para o personagem, o Chris Pratt fez uma mais neutra, bem parecida com a voz natural dele, durante o teste a gente conversou e decidiu por fazer a voz o mais parecido possível com a que todos conhecem no Brasil e no mundo através dos games, que é feita por Charles Martinet. Buscamos fazer algo, até como forma de homenagem, a ele e aos fãs de Mário como eu (rs), queria fazer um trabalho de fã para fãs. Me coloquei no lugar de expectador, então procurei fazer uma coisa que eu ia gostar de assistir no cinema – revela.

Rossatto estudou bastante em casa para chegar à voz mais próxima da conhecida por todos, teve dias que ficava falando que nem o personagem, em casa mesmo, para naturalizar a voz na hora da dublagem.

A maior dificuldade foi procurar o tom da voz, o sotaque, porque é muito difícil você segurar um sotaque o filme inteiro e não ficar caricato. Foi um trabalho bem minucioso, a gente foi estudando fala por fala para buscar o tom certo, a entonação do sotaque de forma que ficassem todas diferentes, mas que o sotaque estivesse ali. Me preparei com estudo em casa, vendo filmes e séries em italiano, falando como Mário o maior tempo possível para tornar tudo natural pra mim. Pois como é uma voz um pouco mais caricata com sotaque o tempo inteiro, então não seria muito natural eu chegar na hora e não conseguir fazer – relata.

Ele fala da responsabilidade em dublar um dos personagens mais famosos do universo pop mundial.

Senti o peso desde que fui dublar o primeiro teaser, que eu fiz antes do filme, quando ele saiu eu não gostei, apesar de todos terem gostado e elogiado a dublagem, eu mesmo não curti, pois sou muito crítico com o meu trabalho, eu sabia que podia ficar melhor. Estudei muito até o filme, eu ficava em casa estudando as entonações, o sotaque. Depois dublei todo o longa e não tive acesso a ver antes (rs), então fiquei desesperado, com frio na barriga, tremendo, ansioso, porque não sabia como tinha ficado. Sabia que essa pressão em cima da dublagem ia ser enorme, até porque as pessoas já haviam gostado desde do teaser, inclusive os norte-americanos elogiaram muito a nossa dublagem mais que a original. Isso aumentou a vontade de fazer um bom trabalho, pois a expectativa estava muito alta – conta.

O dublador ainda fala sobre os dubladores anteriores do personagem.

No Brasil, o dublador anterior foi o Antônio Patino que o dublou a série que tinha nos anos 80, início dos 90. Infelizmente não o conheci, mas admiro muito o seu trabalho, era uma proposta diferente, naquela época o Mário foi colocado como um personagem bem mais velho. A voz original, no mundo, é do Charles Martinet, que eu não tive a oportunidade de conhecer, mas estou vendo com o pessoal da edição 2023 da “Brasil Game Show”, onde ele vai estar esse ano, a possibilidade de ir para conhecê-lo. Além dele, as vozes originais do Bowser e da Princesa Peach estarão lá, eu como fã ficaria muito feliz se acontecesse esse encontro – anseia.

Ele fala em como Mário apareceu pela primeira vez na sua vida, a relação com ele antes de se tornar a voz do encanador e o que dublá-lo representa para ele.

Dublar o Mário significa tudo. Como gamer e geek que sou é uma emoção indescritível porque é um personagem que foi, e é, muito importante na minha vida. Até hoje eu jogo Mário, ganhei do meu pai o meu Super Nintendo quando tinha 5 ou 6 anos. Lembro dele chegando com a caixa do vídeo game que tinha os jogos “Super Mario World” e “Super Mário Allstars”. Desde cedo me familiarizei com o seu mundo e nunca mais parei, jogava o Nintendo 64 em locadoras de games, na casa de amigos, depois tive outros games da Nintendo e ele sempre esteve presente. É um personagem muito importante pra mim, e pra todos os gamers, é uma figura que todos conhecem, mesmo quem não joga. Ver as crianças saindo do cinema extasiadas, querendo jogar Mário, é muito gratificante – relata o ator que ostenta há anos uma tatuagem de estrela em um dos ombros com o chapéu do Mário, tamanho o seu amor por ele.

Créditos: Oseias Barbosa

Raphael dubla há 13 anos, o seu primeiro trabalho foi fazendo as partes musicais do filme “Enrolados”, de 2010, como a voz do personagem Flynn Rider.

Dublei o senhor das estrelas do “Guardiões da Galáxia”, que estreou nos cinemas, também fiz a voz do Kristoff do “Frozen”, o Flynn Rider de “Enrolados”, nesse eu canto as músicas, dublo o Sandman da série “Sandman”, dublei o Augustus Waters de “A Culpa é das estrelas”, o Will Traynor de “Como eu era antes de você” entre outros. Além disso, também fiz o filme do “Sonic”, então posso dizer que “zerei” a vida duas vezes (rs), pois estou nos filmes de duas das maiores franquias de games, nele eu dublei o Tom Wachowski que é quem acolhe o Sonic e o ajuda na sua jornada – vibra.

Além de dublador, Rossatto também é ator já fez diversos musicais de sucesso.

Fiz “Godspell – o Musical”, produzido pelo CEFTEM, onde eu fiz Jesus, fiz “Tudo por um pop star”, uma obra adaptada do livro da Thalita Rebouças, realizado pela Aventura Entretenimento, eu fazia um dos protagonistas o Slack Tom Tompson, estive no elenco de “60 – Doc Musical”, da BrainMais, entre outros – diz.

Ainda pequeno, Rossatto, que hoje tem 35 anos, já se via dentro do universo do entretenimento, já que sua família era de circo e ele nasceu e viveu até os 20 anos lá.

Nasci e vivi no circo até meus 20 anos, fazia toda a parte teatral, acrobacias, atirava facas, vendia pipoca, algodão doce, todos os trabalhos nele. Era uma vida bem agitada e completa, o circo foi quem me preparou e me deu base artística para a minha vida – complementa o carioca nascido no bairro de Vila Isabel, o circo estava passando por lá na época.

Hoje, além das dublagens e dos espetáculos teatrais, ele também mantém o canal no youtube “Eu Dublei”, que soma mais de 5 milhões de visualizações.

No meu canal geralmente falo muito dos personagens que fiz, de como foi o processo de gravação de alguns trabalhos, às vezes coloco alguns clipes de músicas que gravei na dublagem em suas versões completas. É uma extensão do meu trabalho e algo que me mantem conectado com o público – completa.

Instagram oficial https://www.instagram.com/raphaelrossattodub/